Quando o social é a porta de entrada para o tecnológico

Foco está na ação do UberHub Code Club, iniciativa que prepara, no interior, os profissionais de que o mercado de inovação mundial precisa hoje.


Isabela tem 15 anos e cursa a 9ª série do ensino fundamental, na Escola Estadual Honório Guimarães em Uberlândia-MG. Segundo a Penad Educação de 2019, é exatamente nesta faixa etária que a evasão escolar brasileira explode “Os resultados mostraram que a passagem do ensino fundamental para o médio acentua o abandono escolar, uma vez que, aos 15 anos, o percentual de jovens quase dobra em relação à faixa etária anterior, passando de 8,1%, aos 14 anos, para 14,1%, aos 15 anos.


Mas esse, felizmente, não é o caso de Isabela. Muito pelo contrário. Sua mãe viu e mostrou- lhe uma postagem em rede social sobre um curso gratuito que ensinava os princípios de programação de computadores para jovens na faixa etária dela, o UberHub Code Club (UHCC). Isabela interessou-se, inscreveu-se e, em um ano, tornou-se a campeã brasileira do Torneio Feminino de Computação 2021 na categoria júnior.


Esse é o tipo de coisa que faz aumentar o gosto do jovem pelos estudos. E, no caso da programação, é prenúncio de um futuro profissional produtivo, bem remunerado e, sem dúvida, mais atraente. Há algo ainda melhor: Isabela não é um caso isolado. Todo ano, no UHCC, são dezenas de laureados em competições locais, estaduais e nacionais como a OBI - Olimpíada Brasileira de Informática e a Maratona SBC de Programação. Alguns contratados antes mesmo de completarem 18 anos, outros já estão fazendo faculdade (até de Medicina!), muitos se tornaram instrutores do próprio curso. Todos se beneficiaram da expansão da capacidade de raciocínio lógico proporcionada pelo estudo de programação.


O método utilizado foi concebido a partir das melhores experiências nacionais e internacionais no ensino de programação, como a disciplina CS50 da universidade de Harvard, o conteúdo produzido pela Unicamp (T.OBI) e disciplinas do curso de Ciência da Computação da Universidade Federal de Uberlândia. Tudo amplamente testado e aprovado. O UberHub Code Club (UHCC) começou sua escalada bem sucedida em 2018, pela vontade de um grupo de professores e empreendedores abnegados. Perceberam esta que, talvez, seja a maior janela de oportunidade para jovens brasileiros nos últimos 50 anos: o mercado de TI (tecnologia da informação) que está superaquecido no mundo todo. Hoje, já não consegue encontrar programadores.


Quem empreende nesse setor conhece bem a dor que essa carência provoca. Um setor que projeta a abertura de mais de 400 mil vagas apenas até 2024 – isso no mesmo país que tem cerca de 10 milhões de jovens desempregados, sem contar os subempregados e os desalentados. Certamente, cada um de nós conhece alguns deles.


Em seu primeiro ano de atividade, o UHCC recebeu mais de 700 inscrições. Este ano, irá superar a marca de duas mil inscrições. O curso se tornou um instituto educacional, uma associação sem fins lucrativos mantida por empresas de TI, que vivem o drama de não encontrar os profissionais de que precisam. E por empresas de outros segmentos e pessoas físicas sensibilizadas pela oportunidade oferecida aos nossos jovens.


Os resultados são robustos, qualitativa e quantitativamente. Mas a demanda parece infinita e o trabalho, para tentar atendê-la, é colossal. Urge um esforço conjunto de toda a sociedade, no sentido de:

- Primeiro: despertar o jovem para essa carreira, como fez a mãe da Isabela. A família é muito importante nessa etapa. Escolas, agremiações religiosas, clubes, outras associações... Qualquer organização social pode ajudar simplesmente falando para os seus jovens de oportunidades como essa.

- Segundo: contribuir diretamente, da forma como puder, nesse tipo de iniciativa, com doações ou trabalho voluntário.

- Terceiro: buscar conhecer melhor o Instituto, iniciativas similares e endossá-los; indicá-los para empresas, governos, mecenas, órgãos de fomento, fundações e qualquer outra entidade ou pessoa que possa se interessar em ajudar.


É possível promover uma guinada de produtividade na economia brasileira, gerando emprego e renda para esta nova geração? Sim, mas parafraseando o compositor mineiro Beto Guedes, “vamos precisar de todo mundo”.


*Walber Schwartz é engenheiro, professor e administrador com mais de 25 anos de experiência (Petróleo Ipiranga, Grupo Folha, Grupo Zema, FATRA, Prefeitura de Uberlândia) e é cofundador do Instituto UberHub Educação. schwartz.wal@ gmail.com


1 visualização0 comentário