Operações de Barter

Como minimizar consequências de um risco imprevisível e absorver os resultados positivos.


Ronaldo Coletto e Carla Cordero

Fotos Divulgação | Shutterstock

Como você administra os riscos das operações de Barter? Entenda como minimizar as consequências de um risco imprevisível e só absorver os resultados positivos dessa operação. Falar sobre gestão de riscos e tomada de decisão é entender que risco é uma incerteza envolvida na obtenção de um resultado ou um objetivo. Esta incerteza surge da possibilidade de se obter um resultado inesperado ou indesejado que, por seguinte, está relacionado à imprevisibilidade dos resultados desejáveis. Esses resultados podem causar danos ou perdas, o que pode resultar em consequências negativas, entretanto, também pode haver consequências positivas que criam oportunidade que não existiam antes. Como toda e qualquer atividade de mercado, as operações de Barter não estão isentas de riscos, por isso é muito importante entender a sistemática dos conceitos envolvidos, e, ao mesmo tempo, conseguir medir, monitorar e gerenciar os riscos de forma efetiva. De acordo com a literatura existem algumas características importantes que envolvem o risco nas operações de Barter para que o produtor rural possa tomar os cuidados necessários que envolvem, principalmente, a ausência de estrutura administrativa e contábil bem organizada, o endosso da CPR em quantidade efetivamente maior do que a realmente devida, o pagamento de juros abusivos e a quebra ou rompimento do contrato, quando ocorre alta de preço das commodities. Podemos observar que a estrutura de apresentação e classificação entre riscos de mercado, financeiro e operacional demonstram claramente a correlação da natureza e origem dos eventos, e não podemos dissociar ou tratar isoladamente estes riscos. Neste sentido, definir uma adequada estratégia de gerenciamento em respostas aos riscos depende de uma boa análise quanto custo/benefício e relações de probabilidade x impacto, identificadas em uma matriz de riscos, permitindo assim que a Gestão defina qual deve ser a priorização das ações a serem tomadas. Por fim, estes tipos de riscos desaguam na contabilidade, porque devido a sua tipicidade e origem, a contabilidade precisa capturar os efeitos advindos das consequências destes eventos, ou pelo menos prever estimativas seguras da probabilidade x impacto, identificadas na matriz de riscos, assunto este, para o próximo capítulo.

Ronaldo Coletto - Líder de operações em Uberlândia-MG. Contador formado pela UFU - MG, pós-graduado pela UFRRJ, mestre em Tecnologia e Gestão Industrial pela Escola de Química da UFRJ. Reúne experiências importantes em M&A, Valuation e Perícia Contábil com registro no CNPC. Passou a fazer parte do time da Do AGRO Auditores em 2021.


Carla Cordero - CEO - Responsável técnica. Líder de operações em Ribeirão Preto-SP e Rondonópolis-MT. Contadora, formou-se pela FEA - Universidade de São Paulo (USP) e atuou por 16 anos em empresa de auditoria renomada antes de fundar a Do AGRO Auditores. Também é fundadora, CEO e professora na Academia de Auditores, Peritos e Contadores.

3 visualizações0 comentário