Costa do Marfim: a praça ideal

O país é ideal para internacionalização de mercado para empresas e investidores brasileiros.


Por Juliana Sampaio e Larissa Mesquita

Fotos Divulgação


A Costa do Marfim é um país localizado no litoral atlântico da costa oeste africana e sua geografia local é marcada pela grande diversidade em termos de clima e vegetação, o que o faz um país de rico subsolo. Além disto, também é conhecido por sua cultura, culinária e fauna, o que o torna um destino muito desejado, favorecendo a indústria hoteleira do país.


O país conta com cerca de 26 milhões de habitantes, que são governados pela figura de um presidente, sendo uma República Democrática considerada uma das principais forças motoras para a economia do continente.


Em adição, a Costa do Marfim, é um país com estabilidade política e com crescimento econômico impulsionado pelo forte investimento público e privado dos últimos anos e pela implementação de políticas que visam beneficiar as negociações de cunho nacional e internacional; fato que transforma a Costa do Marfim em uma praça atrativa a novos investimentos devido às suas grandes e vastas oportunidades de desenvolvimento e crescimento. Trata-se de um mercado ideal para a diversificação de estratégias empresariais e internacionalização de mercado para empresas e investidores brasileiros e internacionais. Seu vasto leque de possibilidades de investimento ocorre pelo fato da produção econômica local estar fortemente ancorada no setor primário. Vale salientar que o país é responsável por 40% de toda produção e exportação mundial de cacau, além de ser um grande produtor de café, caju e algodão, também com intensa produção de espécies alimentares tropicais, borracha e madeira, com o ramo minerário marcado pela extração de ouro e diamantes. O país detém, ainda, reservas significativas de petróleo e gás natural, sendo que em setembro de 2021, anunciou a descoberta de petróleo e gás natural em suas costas ao leste, chamada ‘’Ballena’’ com altíssimo potencial: de 1,5 bilhão a 2 bilhões de barris de petróleo bruto e de 1,8 bilhão a 2,4 bilhões de pés cúbicos de gás associado.


Por sua vez, o setor secundário é pouco significativo para a economia local. A maior parte da produção primária é exportada sem nenhum beneficiamento, tal cenário salienta as possibilidades de investimentos e crescimento. Já o setor terciário é forte nas áreas urbanas. Porém, este ainda está diretamente vinculado às atividades informais, como o comércio de rua e serviços diversos, o que também entra como possibilidade de novos negócios a fins comerciais;


Outra questão é o grande potencial existente para que o país alavanque o seu capital humano a partir de investimentos na educação e na formação das crianças e dos jovens, sendo o momento ideal para reinventar a educação e a formação de profissionais no país. Por fim, a altíssima taxa de natalidade da região confere novos desafios ao governo, como por exemplo, à alimentação que consequentemente abre espaço para nossas soluções de agronegócio e o mesmo acontece com o setor da saúde e afins.


A Costa do Marfim está aberta a novos investimentos e negociações internacionais e se torna a praça ideal para negociações e parcerias de maneira em que todos os envolvidos se beneficiem e alcancem os resultados pretendidos, aliados às metas traçadas pelo Cônsul Adido Comercial da Costa do Marfim, Dr. Rodrigo de Oliveira Cardoso, é essencial que a partir de agora, investidores e empresários brasileiros que desejam internacionalizar seus negócios, mantenham a Costa do Marfim em seu radar, visto que estamos diante de uma rara oportunidade de acessar um dos mercados mais promissores das próximas décadas.


Já garantiu o seu ingresso para a Feijoada do Celinho no dia 28 de maio? Acesse aqui.

6 visualizações0 comentário